A Comuna é uma organização ecossocialista, feminista, antirracista, antilgbtfóbica, antiproibicionista e revolucionária fundada em 2017 no Brasil. Nos referenciamos numa tradição renovada do Marxismo, construímos a IV Internacional (CI) e atuamos como tendência interna do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Contra a Intervenção Golpista na Venezuela: Por uma saída Democrática à Crise!

26/01/2019

 

 

A IV Internacional se pronuncia abertamente contra a nova tentativa de golpe e intervenção imperialista contra a Venezuela cinicamente orquestrada e organizada pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence (dado o descrédito de Trump na América Latina). 

 

Em um vídeo divulgado na noite de 22 de Janeiro se dava o sinal de partida para uma estratégia que aconteceu, em questão de horas depois, sem que ninguém votasse, a auto-proclamação do verdadeiro usurpador Juan Guaidó como "presidente" da Venezuela. Após essa autoproclamação se seguiu uma avalanche de "reconhecimento" do suposto novo governo por presidentes e governos neo-conservadores, de direita ou até mesmo neo-fascista em todo o mundo. Além disso, a OEA e os países da região que assinaram a "Declaração de Lima" se subordinaram imediatamente aos planos imperialistas, reconhecendo a ilegítima presidência de Gualdió, implementando um bloqueio da Venezuela e contribuindo para buscar alguma provocação para justificar a intervenção armada.

 

Apoiamos veementemente campanhas para condenar esta tentativa de golpe de Estado e a intervenção imperialista, que viola os marcos mínimos da soberania nacional. Chamamos a mais ampla mobilização popular, unitária, internacionalista e democrática contra o golpe, o que significa que, independentemente de nossas diferenças e críticas ao governo Maduro e o regime que implementou na Venezuela, não vemos saída por meio de um golpe de Estado imperialista. Que o povo venezuelano seja livre, soberano e democraticamente para decidir o seu futuro.

 

Os inegáveis problemas políticos, sociais e econômicos da Venezuela só podem ser resolvidos democraticamente sem intervenções imperialistas que não têm nenhuma credibilidade em sua proclamada defesa da "democracia e dos direitos humanos". É verdade que setores populares importantes, exasperados pela grave situação econômica do país, pelas dificuldades, contradições e escolhas erradas do governo, tomaram as ruas em apoio ao golpe. A tragédia é que não é se colocando sob as ordens da oligarquia nacional e neofascista imperialista, reacionária e até mesmo internacional que vai melhorar a situação dos direitos econômicos, sociais e humanos na Venezuela.

 

No momento, parece que os protagonistas do golpe estão tentando forçar uma guerra civil e/ou intervenção direta de potências estrangeiras, o que só exacerbaria os problemas do país e resultaria em um aprofundamento da ofensiva política da extrema direita na América e em todo o mundo. Um conflito armado seria um cenário catastrófico para a região e permitiria uma nova cruzada pelo controle dos recursos petrolíferos do país pelos grandes oligopólios internacionais. A catástrofe da ocupação do Iraque pelos Estados Unidos nos dá uma ideia do que poderia acontecer na Venezuela e em toda a região se os golpistas não recuarem de sua atitude.

 

Apelamos a todas as forças revolucionárias, progressistas e democráticas para se mobilizar contra a nova intervenção imperialista e defender a soberania do povo venezuelano para resolver seus problemas políticos, sociais e econômicos democráticamente e pacificamente, sem sabotar sua economia, sem ameaças de intervenção armada e respeitando a maioria expressada nas urnas.

 

Não ao golpe de Estado na Venezuela!

 

Por uma saída antiimperialista e soberana à crise venezuelana!

 

 

Bureau Executivo da IV International

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

acesse também

arquivo

Please reload

João Alfredo
Camila Valadão
Ailton Lopes

artigos

facebook