Quem paga o almoço do dono do Itaú?


O debate em torno da Reforma da Previdência tem tido como ponto central o déficit público do Estado brasileiro, que chegou a R$ 120,3 bilhões de déficit primário em 2018.


A proposta aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados prevê uma economia de 90 bilhões de reais por ano. A proposta inicial do governo previa uma economia de 120 bilhões de reais por ano.


Já a proposta do Psol para minimizar o déficit previa uma arrecadação aos cofres públicos no valor de R$ 142 bilhões de reais anuais, mas foi rejeitada na Câmara.


A diferença entre as propostas do desgoverno de Bolsonaro e da aprovada na Câmara para a do Psol não está apenas no fato de que nossa proposta traria maior economia para o País.


A diferença fundamental está em quem paga a conta.


Pela proposta do Psol, arrecadaríamos 55 bilhões de reais com a taxação de lucros e dividendos e o fim da permissão de dedução dos juros sobre o capital próprio. Mais 47,6 bilhões com a taxação sobre grandes fortunas. Outros 35 bilhões viriam da majoração da alíquota máxima sobre grandes heranças. Além de 4,6 bilhões com a cobrança do IPVA para aviões e embarcações de passeio. Anualmente.


Ou seja, os mais ricos passariam a contribuir com o que hoje não contribuem.


Mais da metade de tudo o que nosso País arrecada em imposto vem de quem ganha até três salários mínimos, de acordo com o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação).


De cada Três reais arrecadados, dois reais vêm de quem ganha até cinco salários mínimos.


No Brasil, funciona assim: quem ganha mais, paga menos. E quem ganha menos, paga mais. Mais do que isso: Pagamos para sustentar os mais ricos.


Além de sermos os trabalhadores e trabalhadoras quem mais pagamos impostos, mais de 40% de tudo que é arrecadado vai para pagar juros e amortizações de uma dívida que vai parar nos bolsos, cofres e contas bancárias dos mais ricos.


Não vem para a saúde e educação pública, por exemplo.


Você conhece o dono do Itaú? Já encontrou com o dono do Bradesco em alguma praça? Ou com um herdeiro do clã Roberto Marinho? Certamente não.

Mas é você quem paga a conta para eles manterem suas mordomias.


Afinal, não há almoço grátis. Mas não são eles que estão pagando a conta.


Com o dinheiro que sobra vindo dos nossos impostos, ainda dá para eleger parlamentares que votam contra o povo.

LINK DO ARTIGO ORIGINAL:

https://mais.opovo.com.br/jornal/opiniao/2019/07/17/ailton-lopes--quem-paga-o-almoco-do-dono-do-itau.html

acesse também

arquivo

João Alfredo
Camila Valadão
Ailton Lopes

artigos

facebook

A Comuna é uma organização ecossocialista, feminista, antirracista, antilgbtfóbica, antiproibicionista e revolucionária fundada em 2017 no Brasil. Nos referenciamos numa tradição renovada do Marxismo, construímos a IV Internacional (CI) e atuamos como tendência interna do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).